sexta-feira, 23 de julho de 2010

Doce de Laranjinha Kinkan.

Tenho um pé de laranjinha kinkan ou laranja de ouro como também é conhecida, mas ainda está pequeno e tem me presenteado com pouquinhas laranjinhas, mas minha vizinha já tem um pé adulto que fica bem carregadinho e me presenteou com muitas delas.


A provável origem da fruta é a China, de onde se espalhou para outros países da Ásia, principalmente o Japão. "Kumquat" ou "chin kan", em chinês, e kinkan, em japonês, significam "laranja de ouro".
Mas não é exatamente uma laranja. Eduardo Stuchi, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, explica que a espécie pertence ao gênero Fortunella, e não ao Citrus (que inclui laranjas e tangerinas, entre outras). A kinkan apresenta alguns diferenciais, como a menor quantidade de gomos, a casca mais fácil de digerir e a proporção entre teores de açúcar e grau de acidez.
Acredita-se que a "laranja de ouro" chegou ao Brasil com a primeira leva de imigrantes japoneses. Mas os portugueses já conheciam a fruta na época do Brasil Colonial - há registros do século 17 - em que missionários portugueses na China descrevem a fruta. Seja como for, é nas áreas onde os japoneses se estabeleceram que a kinkan é mais cultivada. No Brasil, as principais regiões produtoras ficam em São Paulo.
A kinkan é rica em vitamina C (151 mg/100 g), cálcio (266 mg/100 g), potássio (995 mg/100 g) e boa fonte de vitamina A, fósforo e outros micronutrientes.
O doce fica muito saboroso, foi a primeira vez que fiz e gostei bastante do resultado.
Então vamos a receita:
Ingredientes:
-1 1/2 kg de laranjinha kinkan
- 2 xícaras de açúcar cristal
-canela em pau
- cravo
Lave as laranjinhas e depois corte ao meio cada uma, deixando de molho por 3 dias e trocando a água várias vezes. No 3° dia você vai ver que a polpa começa a desgrudar da casca, escorra toda água e vá retirando a polpa, é só apertar que sai bem fácil. Você deixa do tamanho que desejar para fazer o doce.
Coloque as cascas na panela, cubra com água e deixe ferver bem, depois acrescente a canela, o cravo e quando a água diminuir, coloque o açúcar cristal, deixe em fogo baixo e vá mexendo de vez em quando, até ficar no ponto do doce, e ao seu gosto, se quer com muita calda ou com menos calda. Demora um pouquinho, mas fica bom demais.
Coloque em vidros escaldados com água fervente e está pronto.






7 comentários:

Vicentina disse...

Lu que delícia deve ter ficado este doce, foi muito bom conhecer mais sobre a laranjinha Kinkan.
Olha adorei ver os sapatinhos que vc fez, foram os primeiros? estão muito bem feitinhos ficaram lindos, o babador vc que fez? muito fofo, tenho uma neta que se chama Valentina.
E a Fogazza que delícia, salivei de ver o recheio suculento.
Bjs

Luciana disse...

Vice, obrigada. Esse foi o 1° sapatinho e o babador também fui eu quem bordei para minha netinha que está a caminho.
Bjos, Lú.

Renata disse...

Lú, esse doce como disse a Vi, deve estar uma delícia,né!!!Mas amei o babadorzinho, eita vovó-moça mais coruja,hein!!!Tenho uma coisinha nas agulhas pra Valentina tbém, qdo terminar lhe enviarei,viu!!!Mas amiga, o que é aquela fogazza,hein!!!Eu amooooo, mas agora o maridão anda me policiando devido a meu diabetes...é a tiabete tá meio "brava",hihihi!!!Mas qualquer dia eu as faço, ah se faço!!!Fique com Deus!!!Bom final de semana!!!Bj bem gdão!!!Rê.

Fabiana disse...

Lu,
No Japão eu experimentei a kinkan, e realmente lá o pessoal consume muito por causa da vitamina C.
Mas vc é danada, até doces, vc faz com o kinkan.
beijos

Rose disse...

Oi Lú, que delicia essa receita na casa da sogrinha tem um pé carregadinho...tomara que quando voltar ainda não tenha acabado kkkk
Bjinhus e bom findi!!!

Telcio Germano disse...

Na busca de algum artigo para mostra aos colegas de trabalho que ainda não conheciam a kinkan, achei essa página... hummm... deu água na boca. Conheci a fruta através do meu pai, que chegou em casa com uma sacola cheia e depois tive a oportunidade de ver a pequena árvore numa pousada em Nova Friburgo -RJ. Parabéns pela matéria. Telcio Germano

Telcio Germano disse...

Na busca de algum artigo para mostra aos colegas de trabalho que ainda não conheciam a kinkan, achei essa página... hummm... deu água na boca. Conheci a fruta através do meu pai, que chegou em casa com uma sacola cheia e depois tive a oportunidade de ver a pequena árvore numa pousada em Nova Friburgo -RJ. Parabénsss Telcio Germano